terça-feira, 19 de setembro de 2017

Do fim-de-semana #33

Foi um fim-de-semana de muito descanso, muito tempo passado no jardim e no alpendre, quer de dia, quer de noite. 
Sábado de manhã ainda fomos até à praia. A água estava ótima! A tarde foi por casa e ao jantar fizemos churrasco (provavelmente, o último do verão), com uma salada de feijão e pimentos a acompanhar, que estava maravilhosa e que ficou super bem com as carnes. A noite estava muito agradável.
Domingo amanheceu mais chocho. Fomos ao café na praia e o dia foi novamente todo passado no alpendre e jardim. Jantar de lasanha (yummi yummi) em casa dos papás.
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Dia do DIOGO

Segundo a RFM, hoje é o Dia do Diogo!
Então que o meu Diogo, e todos os outros Diogos deste mundo, tenham um dia muito feliz e repleto de coisas boas!
Diogo significa "aquele que ensina", "conselheiro e belo". É uma pessoa destemida, que vai conseguindo vitórias nos projectos em que se mete. Também pode ser um professor.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Educação física

Depois do entusiasmo de ontem, continuamos hoje com mais uma primeira vez - o primeiro dia de educação física deste ano letivo. O Diogo gosta muito e estava muito contente com todo o seu equipamento novo e inquieto por ir correr, saltar e pular.
 
hoje com o cabelo um pouco mais controlado 😀

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Regresso às aulas

Tal como milhares de crianças em toda a ilha, hoje foi o primeiro dia de regresso às aulas do Diogo. Acordou, aliás como sempre, bem disposto, feliz e ansioso. Este ano vai para a sala dos 5 anos, tem que subir as escadas até ao primeiro andar para ir para a sua sala e cacifo. Ao chegar ao colégio, já não irá para a sala de entrada, onde via desenhos animados e brincava até ir para a sala, mas sim para o recreio. Está super feliz com isto. No final do ano letivo, já será finalista do pré-escolar. Está muito contente com o seu novo material escolar, uma nova capa com os seus livros e uma pasta para os seus trabalhos. Feliz e ansioso por voltar a estar com todos os seus amigos, amigas, namoradas (sim, namoradas no plural), com a sua educadora e auxiliar de sala. Menino querido e ávido de aprender mais. Que seja mais um ano letivo cheio de coisas boas e muitas novidades...
 
 
 
os dois com olhos de sono 😴

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Do fim-de-semana #32

Dias de pouco, ou nenhum, descanso...
Jantar de sexta-feira, fomos os dois experimentar mais um hambúrguer (desses artesanais, da moda). A criança estava, mais uma vez, entregue aos avós, e não houve paciência tempo para cozinhar. Tentamos ir ao Supléxio, pois gostamos muito, mas estava cheio e nem tão cedo teríamos mesa (já eram quase 21h). Lembrei-me então que ali perto estava o Café 3/4, onde já estávamos para ir há algum tempo. O espaço é muito pequeno e, infelizmente, fuma-se no interior, mas o atendimento é extremamente simpático. Pedi o hambúrguer 3/4 com batata-frita (bad call, pois foram daquelas de pacote, mas estavam boas) e um mojito, muito fresco e que tão bem soube naquela noite de extremo bafo. O hambúrguer bom, a carne ótima, mas o "Embaixador" do Supléxio continua a ocupar o lugar de destaque no meu coração... e estômago.
Sábado de manhã fomos fazer uma caminhada - bom tempo, estávamos com disposição para andar e Diogo estava na praia com os avós. Portanto, todas as condições estavam reunidas e lá fomos nós. Fomos fazer o trilho do Pico do Ferro, nas Furnas. São cerca de 2h, em que apenas os últimos 20min. são mais penosos por serem a subir. O trilho está muito bem cuidado, aliás como todos, com muitas proteções em madeira, pequenas pontes e degraus. Chegamos a casa ao início da tarde, comemos qualquer coisa, e atirámo-nos às limpezas. Final da tarde em merecido (mas curto) descanso no jardim. Jantar em casa dos papás e lá trouxemos o nosso borreguinho connosco.
Domingo de "tempo meio chunga", fomo-nos deixando ficar por casa. Adiantei mais umas arrumações. Ao final da tarde saímos para comprar equipamento de educação física para o Diogo e fomos ao nosso habitual jantar semanal em família.
 
 
 
 
 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Girl's stuff #78

queria mesmo um de cada - uns mais casuais e práticos, outros mais finos e elegantes, mas tudo giro e "a minha cara".
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 Tudo em Romwe.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Em formação...

Vamos lá aprender umas coisas giras e engraçadas sobre
Ética e Deontologia Profissionais.
Formação CEFAPA 2017

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Do fim-de-semana #31

O fim-de-semana começou com uma experiência culinária para o nosso jantar: fiz Caril de Frango e Maçã, acompanhado por arroz basmati, e tenho a dizer que ficou uma especialidade. Para sobremesa, um pastel de nata, vindo diretamente de Lisboa. 
Sábado acordamos com um belo dia de sol e rumamos à baía da Praia das Milícias. Já lá estava o Diogo, divertidíssimo dentro de água. Sol bom e água excelente. Para o nosso almoço, fiz uns cachorros quentes caseiros, que adoramos e que o Diogo já vinha pedindo há algum tempo. Acabamos por ficar por casa o resto do dia, ou melhor, pelo jardim e alpendre. À noite, convite para irmos jantar fora, e que bem soube. A noite estava ótima! 
Domingo, dia de acordar tarde e improvisar um daqueles almoços rápidos. À tarde, passeio com as crianças da casa até à Lagoa de São Brás. E o dia termina com mais um jantar de família, desta vez com tios e primos.
 
 
 
 
 
video
video
video

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Entre Mãe e Avó

É um pouco longo, mas prometo que vale muito a pena ler ou até reler. Poderão rever-se em algumas situações ou achar ridículas tantas outras (mais isto!). Recomendo a seguinte leitura e prometo muitas gargalhadas:

"Recados para uma avó que vai ficar com os netos alguns dias em agosto

• Deixei um saco com comida para os miúdos. Arroz sem glúten, massa sem glúten, bolachas sem açúcar, alfarroba desidratada e biscoitos de aveia e quinoa dos Andes.

• Não lhes dê bolos de pastelaria. Nem sumos de pacote. Nem leite de vaca. Nem chocolates. Nem leite com chocolate.

• Eles não comem nada que tenha açúcar refinado. Eu sei que a mãe faz um bolo de cenoura ótimo, mas se fizer use apenas açúcar amarelo. Mas só metade da dose. E cenoura biológica.

• Deixei também açúcar amarelo. É especial, extraído de cana-de-açúcar explorada de forma sustentável.

• Se eles insistirem muito para comer doces, dê-lhes uma peça de fruta biológica. Ou um abraço.

• O João pode brincar com o iPad dele antes de ir para a cama. Mas não nos últimos 34 minutos antes de apagar a luz. É o que dizem os estudos mais recentes.

• Se ele ensaiar uma fita por causa disso, não o contrarie de mais. Não lhe tire o iPad das mãos à força. Dialogue com ele. Convença-o. Queremos que os miúdos tenham capacidade de argumentação e não queremos contrariá-los de mais, para não serem castrados na construção da sua personalidade. No fim, dê-lhe um abraço.

• O iPad é a única coisa eletrónica que o João tem. O psicólogo dele dizia que não devia haver tecnologia nenhuma até aos 12 anos. Mudámos de psicólogo e o outro diz que pode haver, desde que tenha jogos que estimulem a parte do cérebro onde se constroem as emoções. Como ficámos baralhados, arranjámos um terceiro psicólogo, que disse para fazermos o que quisermos.

• Eles têm uma série de brinquedos de madeira e metal, feitos por artesãos velhinhos. Às vezes queixam-se que as rodas de lata não andam. Se for o caso, ajude-os a brincar com outra coisa qualquer, desde que não tenha plástico. Não queremos brinquedos de plástico.

• Se forem à feira e eles quiserem comprar bugigangas nos vendedores, compre-lhes uma rifa. Ou uma maçã. Ou dê-lhes um abraço.

• Todos os brinquedos devem ser partilhados. Não há brinquedo de menina e brinquedo de menino. Se o João quiser brincar com as bonecas de linho biológico da irmã, não há problema.

• Se ele quiser vestir as saias dela, também não há problema. Não queremos limitar a identidade de género dos nossos filhos.

• Há um saco com sabonete natural e champô à base de plantas medicinais sem aditivos químicos. Cheira um pouco mal, mas é ótimo para o cabelo.

• Mandei também umas toalhas de algodão biológico. Use só essas quando forem para a praia. São as melhores para o pH da pele deles.

• Todas as noites eles devem ouvir um pouco de música. Não pode ser o Despacito. O ideal é ser aquele CD de monges tibetanos. Aqueles sons são bons para o cérebro e para a digestão.

• Se eles quiserem subir às árvores, podem subir. Mas devem dar um abraço ao tronco antes disso. De preferência, devem agradecer à árvore antes de subirem para cima dela.

• Eles precisam de três abraços por dia. Pelo menos. Por favor não esqueça isso. E se puder, dê-lhes abraços de pele a tocar na pele. A energia positiva assim passa de forma mais eficaz.

PS1: Mãe, não se enerve depois de ler isto tudo.

PS2: Cole este papel na porta do frigorífico, para não se esquecer de nada. Mas não use fita-cola, que isso tem plástico.

Resposta da avó que ficou com os netos alguns dias nas férias

• Olha, filha, não sei se percebi bem os recados que me deixaste. Dizias que a Matilde não come arroz, mas houve um dia em que ela quis provar do arroz de frango que fiz para mim e para o teu pai e gostou. E pediu para repetir. Duas vezes. Já não me lembro se vocês são vegetarianos ou não, se os miúdos comem carne às vezes ou só às terças e quintas, mas ela pareceu tão consolada que no dia seguinte fiz mais. E também gostou do sarrabulho.

• Não lhes dei bolos, como pediste. Mas o teu pai não leu os recados. E ele deu. Todos os dias ao fim da tarde iam dar um passeio com o avô e o cão e passavam por casa da tia Idalina, que lhes dava uns biscoitos. Só soube isto no fim das férias. Mas acho que os biscoitos são muito bons. Depois peço-lhe a receita para te dar. Mas ela não usa cá açúcar amarelo. Não há disso na aldeia.

• Comeram iogurtes e tivemos de comprar mais queijo porque eles acabaram num instante o que tínhamos cá em casa. Já não me lembro se podiam comer queijo ou não ou se era o leite de vaca que não podiam beber. Mas como é difícil arranjar leite de cabra, comprámos do outro na mercearia e não nos chateámos com isso. Não te chateies tu também.

• Não brincaram com o iPad. Enquanto estiveram cá na aldeia nem lhe mexeram. Mas adormeciam a ver televisão. Dizias uma coisa qualquer sobre ecrãs à noite, mas eu não percebi bem.

• Houve algumas birras. E numa delas o João fartou-se de chorar. Ele disse que ia ligar-te, mas o teu pai disse-lhe para ir mas é jogar à bola e estar calado e a coisa resultou.

• Não lhes comprei brinquedos de plástico na feira, como tu disseste. E eles ficaram amuados comigo e não quiseram voltar à feira mais nenhum dia, o que foi uma chatice. Que raio de ideia, filha. Isso não correu muito bem.

• O champô que mandaste para eles, aquele das plantas medicinais, cheirava mesmo mal. Tem paciência, mas lavei a cabeça dos teus filhos com o meu champô. É bem mais barato do que o teu. Andas a gastar uma fortuna numa coisa malcheirosa, filha.

• As toalhas de algodão armado ao pingarelho que tu mandaste são tão fofinhas e estavam tão bem arrumadas que as deixei estar no sítio. Tive medo de as estragar. Os teus filhos tomaram banho todos os dias e limparam-se às toalhas que havia cá em casa. E não lhes caiu nenhum pedaço de pele. Acho que fiz tudo bem.

• Querias que lhes desse três abraços por dia. Nuns dias dei mais, noutros não dei nenhum. E houve um em que me apeteceu dar um tabefe à Matilde, porque estava a fazer uma fita, mas depois acalmou.

• Não houve cá abraços a árvores. Esqueci-me. E houve um dia em que o Pedro caiu da árvore do quintal e fez uns arranhões. Acho que não tinha vontade nenhuma de dar abraços ao tronco.

• Aquela coisa de o João vestir as saias da Matilde é que me pareceu esquisito. Ele nunca pediu para vestir a roupa da irmã. Eu achei isso bem e fiquei contente.

• Todas as noites ouviram música, como pediste, mas não foi o CD dos monges tibetanos, que isso irritava o teu pai. Ouviam a música dos altifalantes da festa. Não querias o Despacito, mas ouviram isso umas dez vezes por dia. E o Toy também. E o Tony Carreira e o Emanuel.

• Só deves ver este papel quando acabares de tirar as coisas dos sacos dos miúdos. Deixei isto no fundo da mochila do Pedro de propósito. Assim, antes de saberes das coisas que não fiz como tu querias, viste os teus filhos e viste como estavam bem alimentados e cuidados.

PS: não precisas de colar isto na porta do frigorífico. Não quero que gastes fita-cola. Se tiveres alguma dúvida, telefona-me. É isso que as mães fazem: atendem o telefone às filhas para responder a dúvidas sobre os netos."

Textos de Paulo Farinha, aqui.

Girl's stuff #77

Desde há algum tempo para cá que tenho andado bem mais contida no que diz respeito a compras de roupa para mim. Aliás, dou por mim a preferir comprar coisas para o Diogo do que para mim. De qualquer modo, claro que gosto de roupa nova, quem não gosta, e quem me conhece bem sabe, daí que, pelo meu aniversário, estas tenham sido algumas das prendinhas dos meus. Adorei tudo! Obrigada...
 
 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Do fim-de-semana #30

O fim-de-semana começou (ainda) com o festejo do meu aniversário, com um jantar mexicano que fiz e com este bombástico Bolo Palha de Chocolate feito pelo maridão. 
Sábado rumamos à Caloura para banhos nas piscinas naturais e para jantar em casa de amigos. O sol esteve um pouco tímido, mas a água estava cristalina e a uma temperatura maravilhosa (o Diogo divertiu-se imenso), o churrasco bem saboroso, a cerveja fresca, tinto do bom e a companhia do melhor!
Por sua vez, o domingo soube mesmo a dia de descanso e de nada fazer - foi daqueles dias em que não se fez muito, além de um ligeiro passeio, estar por casa e jantar com a família.
 
 
video
Aqui estou feliz da vida a rodar o meu vestido novo 😃

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Azar atrás de azar

Já vem sendo tradição, no dia do meu aniversário, irmos jantar ao mesmo restaurante, mas este ano decidi mudar, porque tínhamos ido há relativamente pouco tempo à Casa da Rosa e tinha adorado. O espaço está giro, é central, o serviço é bom, simpático e rápido e o que tinha experimentado estava muito bom, daí que queria lá voltar. Má decisão!! Então porquê?! Porque não havia O Bife (What?!?!). O prato que eu andava a sonhar desde há dias não havia naquele dia e, para maior azar, não fiquei nada satisfeita com o que pedi. 
Ora, nós já sabíamos que a ementa deste espaço é reduzida, mas como já sabíamos o que queríamos nem estávamos preocupados com isso. Muito atenciosamente lá nos explicou o funcionário que naquele preciso dia tinham tido um problema com o fornecedor e não tinham a carne para o bife. Resolvemos na mesma ficar... O M. escolheu o Bacalhau com Broa, que estava muito bom e com ótimo aspeto, mas eu queria carne, além de que o outro prato de peixe era Lombo de Atum, que eu não sou apreciadora, pois gosto da minha comida bem cozinhada. Nas carnes, havia Entrecosto (também não gosto - pode parecer que sim, mas eu nem sou esquisita para comer...) e o Hambúrguer da Casa, que foi o que acabei por escolher. Mais uma má decisão! A carne do hambúrguer vinha um pouco esturricada, o queijo derretido vinha já seco e apenas por cima de metade da carne, o bacon nem foi passado por uma frigideira, para lhe puxar um pouco pelo sabor, o pão, além de excessivamente alto, estava muito seco, sem qualquer molho e estava frio. O bom do prato foram mesmo as batatas fritas e a maionese, que ainda pus um pouco no pão para ver se o hambúrguer ganhava um sabor extra. Aliás, pela foto, acho que dá para perceber como o hambúrguer estava sensaborão. 
Havendo uma próxima visita, tenho mesmo que me certificar previamente se há O Bife!!!